sábado, 4 de março de 2017

domingo, 5 de fevereiro de 2017

Atividades recreativas

sugestões de atividades que podem ser recriadas e modificadas, de acordo com a realidade em que está sendo trabalhada em sala.
 Segue então algumas possibilidades:

·         Pedir que a criança desloque-se em um espaço delimitado imitando o andar de vários animais: sapo e canguru, cachorro, macaco, pato, etc.

·         Jogo do trânsito: Recortar três cartões nas cores verde, amarela e vermelha. Os alunos se deslocam no pátio de acordo com a cor dos cartões: verde – correr; amarelo-andar; vermelho - parar.

·         O que está faltando? Divide-se a sala em dois times. Todos deverão observar atentamente os objetos da sala. Um integrante de cada time sai da sala e um objeto é escondido. Ao regressarem, deverão descobrir qual objeto está faltando.

·         O fantasma: É escolhido um aluno, que sairá da sala, e uma criança é coberta com um lençol. Ao retornar, o aluno terá que descobrir, observando atentamente os colegas, quem é o “fantasma”. Revezam-se as crianças até que todos que queiram tenham participado. Como variação desse jogo todos sentam em roda, um aluno sai da sala e dois trocam de lugar. Ao retornar terá que descobrir quem trocou de lugar.

·         Colar em uma folha sulfite uma figura de revista da qual falte uma parte, como, por exemplo, metade de um relógio, a cabeça ou meio corpo de uma pessoa, etc. A criança deverá completar a figura, desenhando. Uma variação para essa atividade é colar uma figura completa na folha sulfite, imaginar um cenário relativo àquela figura e desenhá-lo.

·         Aumenta-aumenta: Prender ou segurar uma corda pelas extremidades, de forma que fique bem esticada e a uma pequena distância do chão. As crianças irão pular corda, que será levantada a cada passagem. Quando esta ficar muito alta para ser pulada, as crianças poderão passar por baixo. A corda também pode ser colocada mais alta e abaixada a cada passagem, quando terão que rastejar. Aproveitar para verbalizar a situação: Dá para pular? Por quê? E agora, vocês conseguem pular? A corda está alta ou baixa?

·         Derrube a pilha: Empilhar objetos diversos, como latas e caixas, variando a quantidade e a altura. Combina-se previamente quantas jogadas com a bola cada aluno cada aluno poderá fazer para derrubar a pilha com a bola. Usar objetos em questão para fazer a torre mais alta possível.

·         Não pode cair: Os próprios alunos poderão encher suas bexigas, e deverão estar em um lugar amplo que facilite a movimentação. A um sinal do professor, as crianças deverão bater com a mão na bexiga tentando mantê-la no ar o maior tempo possível sem que esta toque o solo. Em um segundo momento, o professor poderá variar os comandos, como: bater a bexiga bem alto, a bexiga voará baixo ficando perto de sua mão etc.

·         Propor experiências com altura – Medir e comparar a altura de diferentes pessoas e objetos, através do olhar ou da utilização de instrumentos de medida, convencionais ou não.

·         Brincadeira do robô: Construir um percurso com várias opções de deslocamento, usando os materiais disponíveis: cordas, sacos de areia, bambolês, mesas, cadeiras, colchões, etc. Uma criança será o robô, e o professor (ou outra criança) terá o “controle remoto”: Siga em frente, pare, vire à direita, pule, vire à esquerda etc. invertem-se os papéis.

·         Formar um “trem” usando formas geométricas que se repetem, como nestes exemplos com blocos lógicos: um quadrado pequeno azul, dois retângulos grandes vermelhos, um triângulo pequeno amarelo, um quadrado azul, dois retângulos grandes vermelhos...

·         Vou viajar, o que vou levar – A criança que iniciará a brincadeira dirá, por exemplo: “Vou viajar e vou levar na mala uma blusa”. A segunda diz: “Vou viajar e vou levar uma blusa e uma calça”. A terceira criança repete o que as duas disseram e acrescenta mais um item. Quando a quantidade de objetos se torna muito extensa, a brincadeira recomeça com novos itens. A mesma atividade poderá ser realizada com outros temas como: “Fui ao supermercado e comprei...”, “Hoje no almoço eu comi...” ou ”Fui ao zoológico e vi...”. Para facilitar, poderá haver apoio visual dos objetos em questão.

·         Pedir que a criança passe a bola de uma mão à outra ou segure a bola com uma mão e passe -a  para as costas pegando-a com a outra mão, passando para frente novamente. Inverter o sentido.

·         Pular o rio: duas cordas, paralelas uma à outra, formam um rio que será pulado e alargado progressivamente.

·         Quantificar por estimativa: reunir alguns objetos em cima de uma mesa ou dentro de um pote transparente e tentar adivinhar quantos objetos há. Conferir o resultado por meio de contagem.

·         Fazer um numeral em tamanho grande no chão da sala de aula ou no pátio, usando fita adesiva colorida, fita crepe, giz de lousa ou mesmo de tijolo, para que a criança caminhe em cima dele no sentido do movimento.

·         Desenhar uma figura geométrica na cartolina e colar areia em seu contorno, deixando secar bem. De olhos fechados, a criança passará o dedo, sentindo o contorno da forma.

·         Amarrar um barbante no bico da bexiga e segurar na ponta. Dar um puxão e bater repetidas vezes na bexiga, executando um movimento de vaivém. 

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

As mãos não são para bater - Martine Agassi

Amo fazer essa leitura antes de conversar sobre os combinados com a turma.É uma maneira de fazê- los refletir sem falar diretamente no assunto.O texto pode ser relido  sempre que necessário, serve como reflexão e traz bons resultados.


































segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

O QUE PRECISA TER NA PAREDE DA SALA DE AULA?

Sugestões retiradas do soescola.com


CHAMADINHA/LISTA DE NOMES DOS ALUNOS.
Essa pode ser bem criativa e ilustrada, gosto daquelas em que você encaixa as fichas dos nomes, assim você pode utilizar as fichas dando para os alunos manusearem, na internet você encontra vários modelos.


CALENDÁRIO
Utilizo sempre um bem grande com o tema da turma, onde posso fixar número por número assim trabalho numerais todos os dias na rotina. Meses e Dia da Semana também são moveis.

→ Confira aqui: 

COMBINADOS DA TURMA
Deve-se fazer um acordo de comportamento com os alunos, o que se pode e o que não pode, e registrá-lo em mural, através de palavras ou desenhos.


ROTINA
Crianças gostam de Rotina, por isso é interessante ter bem visível na sala toda ordem das atividades do dia, em desenho ou registro escrito.

PALAVRAS MÁGICAS
As regrinhas da boa educação também devem estar fixadas para toda turma.


ALFABETO e NUMERAIS
Para crianças de 4 anos ou menos, dê preferência a alfabetos não ilustrados, pois estão na fase icônica.

Fonte: www.soescola.com